terça-feira, 15 de janeiro de 2013

[As motos de Bali¹

.:: 
Uma das coisas que impressionam quando se chega à ilha de Bali, Indonésia, uma das principais atrações turísticas do mundo, é o trânsito. Nada mais caótico que a circulação em Denpasar, a capital, e nos bairros e vilas do entorno, inclusive em Seminyak, onde moro e trabalho. O mais marcante é que o transporte coletivo praticamente inexiste. As principais formas de transporte público em Denpasar e redondezas são os ônibus, micro-ônibus e os bemos. E, por incrível que possa parecer, as pequenas motos. Mas não há um transporte público formalizado e institucionalizado.

Elas surgem de qualquer lugar
É por isso que os meios coletivos funcionam em rotas pouco definidas dentro ou entre as cidades. Mas se não há transporte coletivo, ter seu próprio transporte pode ser arranjado facilmente: há bemos, carros, motos e bicicletas para alugar em todos os cantos. Ônibus de turismo, que correm entre grandes centros turísticos são mais caros do que o transporte público, mas são definitivamente mais confortáveis e práticos, principalmente por causa do ar condicionado, imprescindível em Bali.

Antes de continuar, uma explicação a respeito dos bemos, nome que se dá a qualquer veículo que é utilizado como meio de transporte público, que é normalmente uma perua (mais modernamente uma van) com uma fila de assentos baixos de cada lado. É uma das maneiras práticas de conhecer os locais, mesmo que sejam quentes, empoeirados e com cheiro da fumaça do motor movido a Diesel.

É fácil alugar um bemo ou minivan em Bali e é uma razoável maneira de viajar para qualquer lugar com um grupo ou família. Não há nenhuma preocupação em ter uma licença ou seguro, o motorista pode até ser um profissional (quase nunca é...), especialmente em Denpasar ou cidades maiores, onde falam Inglês e você não precisa se preocupar com o trânsito horrível.
Mas as motocicletas são o que mais impressiona no trânsito balinês. Conhecidas como skuter ou sepeda motor, elas são uma massa amorfa dentro do trânsito caótico de Denpasar. Elas e seus pilotos estão em toda parte, nas avenidas e ruas (as jalans), nas calçadas, nas vielas, nas servidões que formam intrincados labirintos em praticamente todas as quadras. São corredores que muitas vezes não ultrapassam um metro de largura.
Nos estacionamentos, são centenas
São essas motos o meio mais popular de transporte de Bali. A principal vantagem de viajar em uma moto é a flexibilidade enorme. É fácil parar onde quiser e recomeçar sua jornada sempre que você escolher. A maioria não tem motor com mais de 200 mililitros (200ml) de capacidade e são extremamente econômicas —pode-se encontrar vendedores de petrol em garrafas de vodka Absolut em cada esquina.

Todo mundo tem uma skuter em Bali, mesmo os mais ricos. É possível alugar uma delas em qualquer lugar da cidade: tem um estabelecimento de locação desses veículos em cada quadra. O custo de contratação de uma motocicleta é negociável em Bali e varia de acordo com a condição da máquina, tempo de aluguel e época do ano. Compra de seguro é uma boa ideia para evitar ser responsável por danos, mas é bom não se esquecer de testar o veículo para verificar que tudo está em boas condições de funcionamento.

Nos meus mais de vinte dias em Bali, ainda não vi um acidente de moto na cidade. E olha que os condutores são extremamente abusados e não têm o menor medo dos carros. Eles entram em qualquer lugar, andam em qualquer via, inclusive calçadas, e param em todos os lugares (e sem qualquer proteção contra roubo —estacionam, desligam e pronto!).

Mas parece haver uma cortesia não acordada, que faz com que todos, pedestres, motoqueiros e motoristas, se respeitem no trânsito apocalíptico, atropelado e desarranjado. Praticamente não se vê acidentes e quase não existem carros com sinais de batidas. Se não há transporte coletivo, o transporte exclusivamente individual é predominante. E as onipresentes motos são os astros principais do universo do trânsito balinês.
...............................................
¹ Desde o início de dezembro do ano passado que não escrevo uma linha sequer. Desde a minha infância não fico tanto tempo sem escrever. Este texto configura as minhas primeiras impressões de Bali, onde estou desde 18 de dezembro de 2012.
  
Seminyak, Bali, Indonésia
15 de janeiro/2013

3 comentários:

Marineide Dan disse...

Interessante sua postagem. Eu não imaginava como era o sistema de transporte em Bali.
Obrigada por compartilhar.

Um abraço,
Marineide Dan



http://marciagrega.blogspot.com
http://coisasminhas-escritas.blogspot.com
http://gregapoemas.blogspot.com

Talitha Moya disse...

vc encontrou o paraíso!! poxa vida Luquinha! Espero mto que tenha mta felicidade nessa nova vida balinesa!!! escreve pra gente sobre como são as mulheres dai!!!!! super bjoooo
saudadeee

Karol Senna Atriz disse...

Luquita , amigo viajante.Vai passar quanto tempo por aí? Acompanharei seus aprontes. Beijos.