segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Mural de previsões

Neste nosso mundo um tanto de cabeça pra baixo, principalmente no Brasil, país um tanto desmandado e desmantelado, fazer previsões pode ser algo extremamente complicado e perigoso. Bancar o profeta passa ser uma atividade sujeita a chuvas e trovoadas.

Como já disse algum pseudocientista místico, rir faz bem pra alma e pro bolso... dos humoristas. Nesta área você encontra o lado engraçado das religiões, do ateísmo, do ceticismo, da crença em baboseiras paranormais, da ciência, do misticismo e do racionalismo —não quero dizer com isso, que tudo nesta área seja disparate.

Num mundo tão cheio de motivos pra chorar, há de se conseguir um motivo para rir, nem que seja da cara dos que têm medo de Bicho Papão, Belzebu, bruxas, juremeiros, magos, mandingueiros, pajés, benzedeiros e outros que tais. Portanto, reservei-me o direito de falácias, aqui permitidas em prol de uma boa risada. Assim sendo, não me venha você, leitor, com um processo judicial se algum dado científico de suma importância para a segurança nacional for reportado erroneamente nestas mal traçadas.

Como não somos dados às práticas de bruxos, profetas, feiticeiras, políticos, curandeiros e outros tipos de charlatães e profetas, optamos por contatar, via espíritos do além, um bruxo sério e da pesada: Michel de Nostre-Dame, médico francês nascido em 1503 numa cidadezinha chamada Saint-Rémy-de-Provence, famosa sobretudo por ser a cidade natal de Michel de Nostre-Dame. Foi ele um homem muito além de seu tempo. Fã do zodíaco, logo percebeu o potencial de mercado das publicações esotéricas e lançou, em 1555, as “Centúrias Astrológicas”. Era, à época da caligrafia gótica, de letras grandes e cheias de frescura, um catatau de 4.772 versos, dispostos em 967 quadras e 58 sextilhas, contendo nada menos que 141 presságios, prenúncios e agouros.

Na verdade, por ele o mundo nem existiria mais. Afinal, lá pelas tantas Nostradamus —nome artístico que revela, no mínimo, o inegável toque de marketing obscurantista do escritor— previu nada menos que a destruição da Terra. Como aparentemente tudo o que ele escrevera vinha se confirmando, catástrofe após catástrofe, divórcio após divórcio, unha encravada após unha encravada, quase ninguém duvidou. Enquanto gozava de credibilidade, Nostradamus foi reverenciado como o maior adivinhão de todos os tempos e um pioneiro do segmento da, literalmente, auto-ajuda: angariou fama, fortuna e mordomias, chegando mesmo a ser tratado pelo informal e descontraído título de "bidu" pelos nobres das cortes européis, sempre com um tapinha nas costas.

Seu dom para a futurologia ultrapassou gerações e chegou até nós. Séculos depois, seguidores enxergaram nas profecias dele a ascensão e queda do nazismo, o assassinato de John Kennedy, as experiências com a bomba atômica e — na interpretação da corrente feminina mais realista — a hegemonia da celulite no final do segundo milênio. Até o momento em que se encerrava esta edição, porém, o carro-chefe das tragédias profetizadas por Nostradamus —a aniquilação total do planeta e um abraço— ainda não havia se confirmado.

Foi o que bastou para jogar por terra quase 500 anos de reputação. Desde o último eclipse solar do milênio, quando tudo o que aconteceu foi a entrada de um troquinho a mais nas lojas de cristais, incensos e patuás, Nostradamus vem sendo duramente questionado. Seria o visionário um farsante? Estariam as Centúrias realmente equivocadas ou tudo não passava de um erro de cálculo, num momento de distração do autor, pressionado pelo prazo da editora? Será que o mundo vai mesmo acabar ou podemos todos ir ver tranqüilamente os fogos lá na praia? Visando sempre o interesse jornalístico, já que a época tem tudo a ver e, afinal de contas, nunca se sabe, este Mural contatou Nostradamus, através de outro bruxo, Pazco Prittzell, para esta entrevista exclusiva com o visionário.

Mural: O senhor acredita mesmo em previsões?

Nostradamus: Claro! Senão não estaria aqui respondendo suas perguntas. Mas sempre saio com o meu guarda-chuva. Afinal, como confiar em computadores profetas.

Mural: Então, como explica que o mundo ainda não tenha acabado?

Nostradamus: Estão com pressa [risos, mas só da parte do entrevistado]? Falando sério, é evidente que o mundo vai acabar. Ou vocês acham que alguém agüenta mais uma campanha do Lula da Silva pela televisão? O que aconteceu foi que, por questões profissionais, fui obrigado a adiar o fim do mundo. Mudei a data, só isso. Não posso estragar o suspense! Seria quebra de contrato.

Mural: Já que o senhor anda enturmado com os políticos, como vai acabar a crise política em 2008, ano de eleições municipais?

Nostradamus: Com aquela bandalheira toda? Óbvio: vai acabar no prato preferido de Brasília: em pizza!

Mural: O senhor também previu a destruição completa de Nova York, o que não ocorreu.

Nostradamus: Mas foi por pouco, hein?! Na época, tudo estava caminhando para o caos. Milhares de brasileiros de sacola na mão em Times Square, falando alto, lotando os restaurantes, os táxis, um inferno. E o 11 de setembro de 2001, então?!

Nostradamus: Ah! Lá as coisas estão mesmo feias. Hillary Clinton, Barack Obama, Rudy Giuliani, Michael Huckabee... Tudo gente muito estranha. Mas qualquer um é melhor que Bush, um desacerto mundial. Lá ainda é uma corrida sem favoritos.

Mural: Isso nos leva a outra questão: quem vai suceder o presidente Lula da Silva?

Nostradamus: Olha... Com tanta esculhambação em Brasília, tem um pessoal aí me pedindo que o mundo acabe logo... E em barranco. Mas tô desconfiado de que é lobby do PT, se é que vocês me entendem... Nessa questão, prefiro não me envolver.

Mural: O senhor acredita nas previsões dos economistas?

Nostradamus: Sabe qual o defeito deles? Excesso de otimismo. Falam em inflação projetada, problemas nas bolsas de mercado futuro e falência dos fundos de pensão das estatais como se tivessem toda uma vida pela frente... [exaltado, dá um murro na mesa.] Pois se estou dizendo que o mundo vai acabar, ora!

Mural: Enquanto isso, para quando o senhor prevê a cura definitiva da calvície?

Nostradamus: Notou o meu chapéu? Também estou esperando, meu filho.

Mural: Quem será a capa da edição de 75 anos da Playboy, em 2028?
Nostradamus: Esqueça a Maria Flor, a Carolina Dieckman e a Grazzi Massafera: a essa altura, elas estarão concorrendo a prêmios pela continuação de "Tropa de Elite", partes 23, 24 e 25, e vão querer ser reconhecidas apenas pelo talento. Por outro lado, como a ciência fará mulheres de 50 parecerem bonecas de 20, graças às pesquisas desenvolvidas no Senado Federal e acessível apenas às amigas do peito, periga a disputa ficar entre a Hebe Camargo e a Dercy Gonçalves.

Mural: E o que o filho de Mick Jagger com a Luciana Gimenez vai ser quando crescer?

Nostradamus: Ele vai ter a beleza dela e o talento dele. Ou será o contrário, coitado? Sei lá, melhor perguntar para a Xuxa, que é especialista em moleques talentosos, filhos de pais talentosos, ou mais ou menos...

Mural: Será que finalmente Rubinho Barrichello vai ser campeão da Fórmula 1?

Nostradamus: Epa! Não vamos colocar a Ferrari, ou melhor, a Honda na frente dos bois. Uma das vantagens de o mundo acabar é essa: já imaginou a gritaria do Galvão Bueno, se o Rubinho ganha?!

Mural: Como vai terminar a Copa do Mundo de 2010?

Nostradamus: O juiz vai apitar, erguer o braço e pedir a bola para que um dos times comemore levantando a taça. Posso garantir, no entanto, que os brasileiros não ficarão decepcionados. Enquanto a cerveja permanecer gelada, bem entendido! Só acho que não vai o Dunga como técnico da Seleção Brasileira.

Mural: Afinal, o Brasil vai sair da crise?

Nostradamus: Que crise?

Mural: Hum... Pelo jeito, o senhor também acredita em duende.

Nostradamus: Não. Mas a idéia é boa, hein?! Preciso falar com o Renan Calheiros, o Nelson Jobim, o Lula da Silva, o Arlindo Chinaglia, pra fazermos um consistório e decidirmos o que fazer. Uma boa idéia seria devolver tudo aos índios e pedir desculpas pelos estragos.

Mural: Nós estamos falando de Mato Grosso do Sul, Estado que fica na fronteira do Brasil com o Paraguai. O senhor tem alguma dica para a gente?

Nostradamus: Claro que tenho. Mas prefiro ficar na moita. Você sabe como é, aí na sua terra acontecem coisas de que até Deus duvida. Mas posso garantir que tudo vai continuar "legitimo", como sempre.

Como nossa entrevista com o profeta Nostradamus logrou êxito limitado, o Mural decidiu fazer suas próprias previsões, com a ajuda do senhor Prittzell, psicografou profecias de várias almas penadas, depenadas e empenadas, todas de desconhecidos. Eis alguns de seus vaticínios: o empresário Nilton Servo, aquele dos caça-níqueis, será eleito prefeito de Campo Grande. E vai nomear um conhecido bruxo secretário de Ação Social. O líder de uma conhecida igreja neopentecostal brasileira será acusado de lavagem de dinheiro. Um deputado federal será cassado por corrupção. No mesmo dia um grupo de 113 duendes, goblins, pixies, sacis, elfos, gnomos, vereadores etc. será visto dançando salsa na Via Morena, em Campo Grande.

Lá no Planalto Central, o presidente Lula da Silva vai trocar todo o ministério em setembro —se isso não acontecer antes, claro! O interior de Mato Grosso do Sul vai ficar mais de oito meses sem chuva, o que causará grandes perdas na safra de cana-de-açúcar e na pecuária, e o conseqüente aumento do preço do álcool combustível e do cupim assado.

Quatro mortes em virtude da violência serão amplamente divulgadas pela imprensa e causarão revolta no Brasil, para três meses depois ninguém mais se lembrar delas. A Polícia Federal vai empreender inúmeras operações com nomes insólitos (eis algumas sugestões do Mural: Anta de Tênis, Tuiuiú Baleado, Onça Manca etc.), prenderá um bocado de gente da melhor qualidade, mas nenhuma permanecerá em cana por muito tempo.

O PCC vai comprar as ações do Comando Vermelho (se eles fazem julgamento na cadeia, porque não bolsa de valores?) e vai se transformar na maior organização criminosa interestadual do Brasil. O conclave será realizado no presídio de segurança máxima de Campo Grande e será presidido (presidido!) por Fernandinho Beira-Mar, que completará naquela cadeia seu primeiro aniversário de casamento. Mais do PCC: um membro do grupo, ex-presidiário, será eleito vereador na capital. Ainda o PCC: o grupo vai fazer lobby no Congresso para a aprovação do projeto do Gabeira que legaliza a maconha. E, como é muito mais eficiente que o Governo, vai conseguir.

Claro que a credibilidade de um bom profeta ou futurólogo depende da quantidade de previsões que acerta. E, apesar da humildade ser uma das mais nobres virtudes (seguida da modéstia) deste Mural, eu vou apresentar então minhas credenciais. Por exemplo, eu previ a queda do muro de Berlim cerca de vinte anos antes dela se concretizar. Infelizmente meu professor de História do ginásio (no meu tempo ainda tinha ginásio) não reconheceu meus dons proféticos e não considerou minha previsão como uma resposta válida para uma questão que ele deu na prova. É, vida de profeta não é fácil, principalmente quando ainda se cursa o ensino elementar. Mais recentemente, aqui mesmo no Mural, eu antecipei o fim do cd de música, mas ninguém se dispôs a acreditar. Deu no que deu.

Como você pode ver, a minha fama de profeta/futurólogo/cara-de-sorte só não se espalhou ainda por causa da minha modéstia e humildade. Mas agora isso acabou. Se você chegou até aqui na sua leitura, sabe agora que seus dias serão mais felizes em 2008. Mas o mundo —e o Brasil a reboque— continuará piorando. Não é todo dia que você lê previsões tão precisas nem uma entrevista não transcendente para nós outros como estas contidas no Mural..

Campo Grande MS, segunda-feira, 31 de dezembro/2007
.::

2 comentários:

CresceNet disse...

Gostei muito desse post e seu blog é muito interessante, vou passar por aqui sempre =) Depois dá uma passada lá no meu site, que é sobre o CresceNet, espero que goste. O endereço dele é http://www.provedorcrescenet.com . Um abraço.

Cética disse...

Não sei como você consegue ter tanta lucidez nesse mundo tão caótico. ahaha
Ótimo texto!